{{ login_title }}
Cartórios de Protesto - BR

Artigo: O Protesto como instrumento de redução de ações judiciais e meio célere de solução de conflitos, por Cristina Oliveira

Artigo: O Protesto como instrumento de redução de ações judiciais e meio célere de solução de conflitos, por Cristina Oliveira

 No cenário jurídico atual muito se tem discutido acerca do crescente número de ações judiciais e sobre a efetiva necessidade de se buscar alternativas que visem a desafogar o Judiciário – já de há muito assoberbado – e permitir que esse Poder seja acionado apenas para os casos em que não se obtenha uma solução extrajudicial.

     O Código de Processo Civil, atento a essa realidade, confirmou ou promoveu a desjudicialização de alguns institutos (divórcio, inventário e usucapião, por exemplo) e também impôs o dever de estímulo a outras formas de solução consensual de conflitos, judicial ou extrajudicial (art. 3, §3º, do CPC). Especificamente sobre o protesto, fez previsão desse ato em face de decisão judicial transitada em julgado (art. 517) e de pronunciamento judicial relativo à prestação alimentícia (art. 528, §1º).

     Assim, com sucessivas e louváveis iniciativas, o legislador busca justamente diminuir a carga excessiva de processos judiciais, a fim de permitir que o Poder Judiciário funcione de maneira célere e adequada às aspirações de uma ordem jurídica justa.

     Dentro desse escopo de procurar soluções extrajudiciais confiáveis e que possam aliviar a pletora de processos que aportam diariamente ao Poder Judiciário, as serventias extrajudiciais (cartórios) surgem como excelente possibilidade, na medida em que o serviço é executado por profissional dotado de fé pública e habilitado mediante concurso público, devendo o tabelião observar estritamente as normas legais a que está diretamente subordinado, a fim de praticar um ato hígido e isento de futuras impugnações relativas ao seu mister. Este é um dos diferenciais em relação à simples negativação do devedor em serviços de proteção ao crédito.

     O presente artigo tem como objetivo discorrer sobre o protesto e seus efeitos, sustentando que o fortalecimento e um maior estímulo à apresentação dos títulos e documentos de dívida para protesto constitui um caminho jurídico legítimo, célere, seguro e eficaz para o resgate dos créditos, com a redução das ações judiciais e consequente desafogo do Poder Judiciário.

     O art. 1º da Lei 9.492/1997 define o protesto como “o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida”.

     Faz-se necessário esclarecer que o referido conceito se refere ao ato de protesto, e não ao seu procedimento. Isso porque é muito frequente que o devedor efetue o pagamento no prazo legal de três dias contados da protocolização do título, impedindo, assim, a realização do ato de protesto.

     Com relação ao procedimento para protesto, a referida Lei 9.492/1997 faz a seguinte previsão, em síntese: quando um título é apresentado na serventia, o tabelião faz o seu lançamento no Livro Protocolo e, ato sequente, realiza um detido exame em seus requisitos (atividade de qualificação), recusando aqueles que apresentem vício formal ou falha procedimental. Constatada a regularidade formal, segue-se a intimação do devedor para pagar, aceitar ou devolver o título (conforme o motivo do protesto). No decorrer do procedimento pode suceder ainda uma sustação judicial do protesto (hipótese rara) ou ainda uma desistência do protesto por parte do apresentante. Não havendo pagamento, sustação ou desistência, será lavrado e registrado o protesto.

     Realizado o protesto, decorrem variados efeitos jurídicos que lhe são próprios, sendo pertinente mencionar os seguintes: 1) prova a inadimplência do devedor (art. 1º da Lei 9.492/1997; 2) constitui em mora o devedor (art. 40 da Lei 9.492/1997); 3) possibilita o pedido de falência na hipótese do art. 94, § 3º, da Lei 11.101/2005; 4) promove a conservação de direitos, como sucede com o portador da duplicata para exercer direito de regresso contra os endossantes e respectivos avalistas ( art. 13, I e § 3º, da Lei 5.494/1968); 5) interrompe a prescrição (art. 202, II, do Código Civil); 5) confere publicidade à inadimplência; 6) promove uma relevante função social, sendo parâmetro para a concessão de crédito no mercado.

     Nesse contexto, percebe-se que o ato de protesto tem função probatória (provar o descumprimento da obrigação) e conservatória de direitos (protesto para fins de direito de regresso), além de constituir-se em legítimo instrumento de recuperação do crédito e, por consequência, de solução extrajudicial de conflitos.

     Toda a solenidade procedimental, a saber, qualificação, intimação, desistência, pagamento e protesto, acontece no prazo de três dias úteis contados do protocolo (art. 12 da Lei 9.492/1997). Ou seja, a celeridade se manifesta no tríduo legal, e com o devido rigor da lei em vários aspectos procedimentais, proporcionando segurança jurídica.

     Diante desse contexto – que concilia celeridade com segurança jurídica –  o serviço de protesto de títulos tem obtido elevados índices de recuperação do crédito. Com efeito, cerca de metade dos títulos apresentados na serventia são pagos pelo devedor no prazo de até três dias úteis contados do protocolo, tendo como consequência lógica uma redução de ações judiciais que certamente aportariam em nossos tribunais.

     Assim, o tabelionato de protesto pode, efetivamente, auxiliar na redução de demandas judiciais, sendo uma forma segura, eficiente e adequada na solução de conflitos. Esse viés do serviço de protesto, a saber, meio de recuperação do crédito, não é uma capitis diminutio ao instituto. Ao contrário, além de todos os outros importantes efeitos jurídicos próprios do protesto, retrata um mecanismo legalmente previsto para o desafogo do Poder Judiciário – que controla e fiscaliza os atos praticados no âmbito da serventia extrajudicial.

     Diante dessa realidade, considerando o alto índice de recuperação do crédito, a segurança jurídica de que é cercado todo procedimento e, sobretudo, visando contribuir para que o Poder Judiciário seja acionado apenas para os casos em que não se vislumbre solução extrajudicial, alvitramos a seguinte proposta a ser considerada pelo legislador ordinário, a saber: que o juiz, ao despachar a inicial da execução por quantia certa, fixe os honorários advocatícios (art. 827) e encaminhe cópia digital do título ou documento de dívida ao tabelionato de protesto, salvo se exequente manifestar desinteresse na petição inicial.

     A solução alvitrada visa colaborar com a diminuição da carga excessiva e desumana de processos judiciais, utilizando-se do tabelionato de protesto como instrumento de redução das ações judiciais e meio célere de solução de conflitos. E a celeridade do procedimento (três dias) conta ainda com a possibilidade de tramitação totalmente eletrônica, nos termos autorizados pelo parágrafo único do art. 193 do CPC.

     Para tanto, com o escopo de não onerar o credor, o procedimento e o protesto poderão se valer do diferimento no pagamento de emolumentos, nos termos já autorizados pelo art. 37, § 1º, da Lei 9.492/1997, caso em que seriam recolhidos no ato elisivo do protesto ou no de seu cancelamento. Em outras palavras, o credor não teria qualquer custo para protestar um título extrajudicial nos moldes reportados, eis que os emolumentos seriam recolhidos somente no pagamento da dívida, na desistência ou no cancelamento do protesto. Enquanto não houver qualquer das referidas hipóteses, não haveria recebimento dos emolumentos.

     Esclareça-se que o referido diferimento no pagamento dos emolumentos talvez possa trazer algum ônus para as serventias de protesto. Mas, dentro do contexto de colaboração social – aliada ao bem sucedido índice de pagamento da dívida nos tabelionatos – emerge que as suas vantagens certamente suplantarão eventuais encargos adicionais.

     Há de se registrar, ainda, que um percentual do valor recolhido pelos cartórios são destinados a receitas públicas, a exemplo do Poder Judiciário, que recebe repasse em face de taxa de fiscalização cobrada por cada ato realizado em serventia extrajudicial – tributo considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal (ADI nº 3.151). Este mais um dos diferenciais em relação à simples negativação.

     Por fim, os tabelionatos de protesto contam com a Central Nacional de Protestos – CENPROT, que disponibiliza, dentre outros serviços, uma consulta gratuita (via internet) às informações sobre a existência ou inexistência de protesto, e respectivos tabelionatos. Isso significa que o usuário pode obter as informações indicativas do protesto gratuitamente.

     Sem custo, cercado de segurança jurídica e com alto índice de recuperação, além dos variados e relevantes efeitos jurídicos do protesto, emerge cristalino que utilizar esse instrumento jurídico é, certamente, uma forma legítima de se buscar uma redução do número excessivo de ações judiciais, possibilitando que sejam aportados no Poder Judiciário somente os casos insanáveis em sede extrajudicial, ou, caso já haja judicialização, abreviar a realização do Direito, evitando custosos procedimentos judiciais para atingimento dos mesmos fins.

     Urge a comunhão de todos no estudo da insustentável sobrecarga do Poder Judiciário, em esforço conjunto na formulação de sugestões e apresentação de críticas, tudo para subministrar o legislador na criação de instrumentos eficazes e confiáveis que possam, com efetividade e segurança, promover a solução de conflitos.

     Dentro desse contexto, as razões alinhavadas são aqui apresentadas com essa finalidade, concluindo-se que o fortalecimento e um maior estímulo à apresentação dos títulos e documentos de dívida para protesto constitui um caminho jurídico legítimo, rápido, seguro e eficaz na solução de conflitos, evitando que todo e qualquer inadimplemento vislumbre na ação judicial a única providência possível.

* Cristina Mundim Moraes Oliveira – Tabeliã; Diretora Institucional da Confederação Nacional dos Notários e Registradores – CNR; Diretora Institucional da Escola Nacional de Notários e Registradores – ENNOR; Conciliadora, nos termos da Resolução 125 do CNJ; Pós-graduada em Direito Notarial e Registral; Pós-graduada em Direito Constitucional; Pós-graduada em Direito Civil; Pós-graduada em Direito Público; Pós-graduada em Direito Penal; Mestranda em Direito Constitucional.

Mais notícias

TJAL – Concurso dos cartórios de Alagoas será reaberto em 25 de janeiro -

Espírito Santo, Bahia, Pernambuco e Minas puxam alta da produção da indústria -

Facebook anuncia que vai mostrar mais posts de amigos e familiares, e menos de marcas e empresas -

1º Encontro de Capacitação dos Colaboradores do Protesto-PR -

Metade de quem adere ao Refis fica inadimplente -

Em 10 anos, País perdoa R$ 176 bi em juros e multa de dívidas tributárias -

Entra em vigor lei que exige manutenção de sistemas de ar condicionado -

MEIs inadimplentes podem regularizar seus CNPJs até 23 de janeiro -

Percentual de famílias endividadas sobe de 59% para 62,2%. -

China inicia testes da primeira rodovia no mundo que capta energia solar -

Receita abre consulta a lotes residuais do Imposto de Renda -

Conjur (SP) – Devedor pode oferecer imóvel como caução para obter certidão negativa -

Burger King se torna isca para golpe no WhatsApp -

Procon-SP notifica Apple por causar lentidão em iPhones antigos -

Processo digital no TJSP é tema de palestra em conferência da ONU -

PR: Credores não precisam mais pagar antecipadamente as custas do protesto de títulos -

1º Encontro de Capacitação dos Colaboradores do Protesto - PR -

Receita terá de ser informada de transações em espécie acima de R$ 30 mil -

Loapi, o vírus de celular que pode arruinar seu aparelho -

Bancos adotam novas regras para saques acima de R$ 50 mil -

TJ/RO confirma homologação de títulos de concurso para cartórios extrajudicial -

IPVA 2018: guia por estado e no DF -

Vendas de última hora animam comércio -

CNJ Serviço: Conheça os tipos de cartórios existentes no Brasil -

Comissão Especial da Câmara rejeita Projeto de Lei de Teto Remuneratório para cartórios -

Bradesco bate recorde de transações pelo celular -

Bancos brasileiros usarão dados reais em testes de blockchain em 2018 -

Quem tem o carro roubado pode pedir devolução do IPVA -

Anoreg/MA e IEPTB/MA promovem Natal Solidário no bairro Desterro em São Luís (MA) quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 18:33 -

Brasileiros terão ceia de Natal mais barata este ano, indica pesquisa da FGV -

Jornal Diário da Região – Cartório de Notas São José do Rio Preto (SP) aceita pagamentos em Bitcoins -

Alagoas terá primeiro concurso para vagas em cartórios -

Plataforma de renegociação de dívida amplia parceria com Itaú -

POSSE: NOVOS DIRIGENTES DO JUDICIÁRIO DO MARANHÃO ASSUMEM O CARGO NESTA SEXTA-FEIRA -

Corregedoria Nacional divulga resultado das correições nos cartórios -

O Instituto de Protesto de Rondônia disponibiliza aos cartórios de protesto terminais de pesquisa de CNPJ e CPF -

Nome negativado indevidamente por empresa de telefonia móvel acarreta indenização de R$ 10 mil por danos morais; decisão cabe recurso. -

Clipping – Tribuna do Norte (RN) – PGE terá 2,5% sobre taxas cartoriais no Rio Grande do Norte -

A curiosa história por trás do logo mais famoso do mundo -

Primeira Confranore reúne dezenas de tabeliães, notários, registradores e colaboradores em Cuiabá -

Vale o escrito -

FACILIDADE - CGJ AUTORIZA CARTÓRIOS A RECEBER TÍTULOS DE PROTESTO POR PARTICULARES SEM DEPÓSITO PRÉVIO -

IEPTB-MT e Anoreg-MT participam de abertura de mutirão fiscal -

QUASE 60 MILHÕES DE BRASILEIROS ESTÃO COM NOME SUJO -

Microsoft e Banco Votorantim investem R$ 1 mi em fintech de negociação de dívidas -

Instituto de Protesto de RO e ARRCT-RO lançam cartilha informativa sobre Renais Crônicos -

8 de dezembro: Dia da Justiça -

Receita libera consulta ao 7º e último lote de restituição do Imposto de Renda 2017 -

PRF lança sistema de alerta instantâneo para recuperação de carros roubados Agência Brasil -

IEPTB-MT e Anoreg-MT são parceiros em nova edição de mutirão fiscal. -

O papel do protesto extrajudicial na retomada econômica -

OAB/RO: advogados podem protestar contrato de honorários advocatícios em Rondônia -

STJ - O cassino pode cobrar no Brasil por dívidas de jogo contraídas no exterior? -

Poder Judiciário do Ceará altera a forma de lançamento dos atos do serviço extrajudicial -

Juro básico deve cair ao menor nível em 30 anos, apostam economistas, mas taxas bancárias seguem elevadas -

CONVÊNIO POSSIBILITARÁ A COBRANÇA DE DÍVIDAS COM O TCM-GO ATRAVÉS DO PROTESTO -

ADI questiona recolhimento de contribuição patronal de cartorários extrajudiciais catarinenses -

Pagando a conta no grito -

Heineken chega para valer no Brasil e a briga promete esquentar -

1º Encontro de capacitação dos colaboradores do protesto - PR -

CARTÓRIOS DE PROTESTO ESTARÁ PRESENTE NO I ENCONTRO DE CORREGEDORES DO SERVIÇO EXTRAJUDICIAL -

Fique Legal: Cidadão terá benefícios na quitação de dívidas com o município -

Saiba se você tem direito e como restituir dinheiro perdido com planos econômicos -

CARTÓRIOS JÁ DRIBLAM A BUROCRACIA -

Bancos e poupadores chegam a acordo sobre perdas de planos econômicos das décadas de 80 e 90 -

A importância da identidade visual para seu Negócio ou Escritório (Branding para negócios) -

Corte goiana aprova reestruturação dos serviços extrajudiciais -

40% dos consumidores usaram FGTS para pagar dívidas! -

WhatsApp anuncia app para empresa falar com cliente; Itaú faz testes no Brasil -

Reunião Geral -

Registro de pets em cartório começa a se popularizar em Maceió -

DÉCIMA PRIMEIRA AULA DA SÉRIE "DESPERTAR DA CIDADANIA" SERÁ TRANSIMITIDA NESTA TERÇA-FEIRA (05.09) ÀS 14H -

Dívida ativa: valor para inscrição vai subir para R$ 5 mil. -

Anoreg-MT, IEPTB-MT e EMNOR ministrarão curso sobre “padronização do procedimento de protesto de sentença e decisões judiciais” -

Mercado prevê menos inflação e mais crescimento econômico para 2017. -

Vendas de supermercados têm queda real de 0,5% em julho, aponta Abras -

LIVRO O DIREITO NOTARIAL E REGISTRAL EM ARTIGOS SERÁ LANÇADO NESSA QUINTA-FEIRA EM SÃO PAULO -

Comércio perdeu mais de 40 mil empresas e 412 mil empregos em 2015. -

A chegada da cebola que não faz chorar -

Confiança da Indústria avança 1,4 ponto em agosto, diz FGV -

Brasileiros gastaram dinheiro de contas inativas do FGTS com pagamento de dívidas e compras no varejo -

Brasil tem mais de 207 milhões de habitantes, segundo IBGE -

CNJ JULGARÁ CASO SOBRE POSSÍVEIS TÍTULOS FALSOS APRESENTADOS EM CONCURSO DE CARTÓRIO DE PE -

Paranaenses podem verificar se estão inadimplentes em totens de pesquisa gratuita -

MPT da Bahia avalia possível parceria com os Cartórios de Protesto -

Precisamos falar sobre sonegação -

A Bahia faz chocolate. -

IEPTB RJ FARÁ PALESTRA SOBRE PROTESTO DE SENTENÇA NA OAB DE NILÓPOLIS -

Quais os documentos necessários para comprar e vender um imóvel? -

Bradesco prevê captura de R$ 3,5 bi em sinergias com HSBC Brasil até fim de 2018. -

Cartórios de protesto são opção segura para cobrança de dívidas do poder público -

Primeiro cartório a utilizar a internet na América Latina é destaque na Folha de S. Paulo, em 1996. -

Itaú expande sua incubadora de startups para receber 210 empresas. -

Recuperação de crédito atrai investidores. -

Anoreg-BR realiza primeira reunião mensal com a nova diretoria. -

Tudo o que você precisa saber sobre Infrações leves. -

Pai cria aplicativo que domina o celular do filho até que ele responda. -

Ambev vai responder perguntas sobre cerveja Brahma nas redes sociais -

Cartões de lojas em alta, com crédito bancário em baixa. -

Reunião Geral. -

Treinamento em Excelência no Atendimento ao Cliente. -

IEPTB-MT e Anoreg-MT ressaltam aproximação entre tabeliães e advogados na XX Conferência da Advocacia -

CADE aprova compra de parte do Citibank para o Itaú Unibanco. -

Evento organizado pela ANOREG/RO e Instituto de Protesto/RO. -

Cartórios de Protesto em destaque. -

Instituto de Protesto inaugura nova sede administrativa. -

Inteligência artificial ajuda a criar campanhas promocionais mais assertivas. -

Empossada nova diretoria da ANOREG/BR. -

Corregedoria vistoria cartórios em GO. -

MATO GROSSO PROTESTA 37 MIL DEVEDORES -

Desembargadores do TJSP participam do 75º Encoge -

APP de celular detalha produção dos ministros do STF -

Claudio Marçal Freire é eleito novo presidente da Anoreg/BR. -

Visita do Desembargador ao IEPTB Nacional. -

IEPTB/AM - Conquista mais uma parceria. -

IEPTB/RR celebra convênio com a PGE. -

Reunião entre IEPTB/MT, ANOREG/MT e Corregedoria. -

IEPTB-SC e TRT-SC a mais nova parceria de sucesso. -

Governo corre para recuperar dívidas de até R$30 bi... -

NOVA PARCERIA IEPTB/PA E SEFIN. -

MAIS UMA PARCERIA - IEPTB/MS e TRT 24º Região. -

TJAM recebe R$1 milhão em créditos recuperados. -