{{ login_title }}
Cartórios de Protesto - BR

Heineken chega para valer no Brasil e a briga promete esquentar

Heineken chega para valer no Brasil e a briga promete esquentar

A Heineken renasce no Brasil depois de comprar a Brasil Kirin. Dobra de tamanho, ganha novas marcas, fortalece a distribuição e apresenta sua receita de conquista: mais diplomacia, menos furor.

Distinta senhora de tradicional família holandesa, 146 anos, vestida de figurino verde com estrelas vermelhas, não procura aventuras abaixo da linha do Equador. Favor não insistir. Era 2010. Depois de selar um pacto com o diabo no México, contudo, viu-se arrastada para mares tropicais nunca dantes navegados. Chegou, acostou-se, mas não se acostumou. Até este ano. Porque agora... ah, agora a festa esquentou. Tem até japonês. Resumo do resumo: quando a poeira baixar, haverá DNA holandês mais bem distribuído pela terra brasilis. Fim.

Ok, esse foi um jeito péssimo de contar a história da Heineken no Brasil. O jeito sóbrio seria assim: naquele ano, a cervejaria pagou US$ 7,7 bilhões pela mexicana Femsa, do empresário José Fernández Carbajal, vulgo El Diablo por causa de suas crônicas sobrancelhas altas. Ganhou de imediato a vice-liderança do mercado no México e, quase sem querer, marcas brasileiras pertencentes à Femsa de que os holandeses nunca tinham ouvido falar: Kaiser, Bavaria, Xingu.

E aí entra o japonês. Ou japoneses. No caso, os da Kirin, que perderam a proverbial paciência após anos de quedas na participação de mercado e resultados financeiros decepcionantes, e resolveram se desfazer de sua subsidiária brasileira, criada com a compra da Schincariol. Era a deixa para a Heineken, que em fevereiro pagou o equivalente a R$ 2,2 bilhões para ficar com o negócio. Com a aquisição da Kirin a empresa ultrapassou a Petrópolis, tornando-se a segunda maior produtora de cerveja do Brasil – tem agora 20,7% do mercado, o maior percentual de um vice-líder desde o nascimento da Ambev. No pacote vieram marcas regionais de peso, além das cobiçadas artesanais Baden Baden e Eisenbahn, uma linha de refrigerantes e de água mineral, 12 novas fábricas, 10 mil funcionários e – o brinco de pérola – uma rede própria de distribuição.

O salto foi grande. A Heineken dobrou de tamanho. Mas o francês Didier Debrosse, CEO da empresa no Brasil, dá a real da situação como se convidasse para tomar uma gelada: “A Heineken nasceu duas vezes no Brasil. Basicamente, vamos esquecer tudo o que fizemos e começar de novo. Temos de nos reinventar”. Haja energia e criatividade. Apesar de ganhar escala, a Heineken ainda caminha distante da líder Ambev, que domina 62,3% do setor. Pior: concorre diretamente com uma empresa conhecida por sua eficácia operacional, pela agressividade nas aquisições e pela política do “custe o que custar” (de preferência, bem pouco) para se manter no topo. É briga dura, reconhece Debrosse, que parece ter outro tipo de repertório para brigar.

Na companhia desde 1997, este senhor de 60 anos que passou a adolescência na Guiné chegou ao Brasil em 2013. E embora ainda prefira falar em inglês no dia a dia, pelo menos já abrasileirou a maneira de cumprimentar o pessoal do escritório: “Opa”. Estamos no quinto andar da sede da empresa, no bairro de Vila Olímpia, Zona Sul de São Paulo. Uma mistura de sala de reuniões com bar onde, de 15 em 15 dias, Debrosse reúne a equipe em happy hours regados a chope e descontração. Recentemente, os executivos passaram a poder pedir uma Devassa também. Garrafas de Schin, Itubaína, Kirin Ichiban ganharam espaço dentro de um armário de madeira com portas de vidro. Mas as verdadeiras novidades não estão à mostra. Debrosse é um homem pouco loquaz quando a conversa embica para estratégias, planos, o futuro dessa Heineken renascida. Deixa escapar uma obsessão que o persegue: fazer com que todos os funcionários no Brasil, novos ou antigos, pensem “além da garrafa verde” e “não tragam ideias apenas para a marca Heineken”. Trocando em miúdos, ele quis dizer que a Heineken a partir de agora é também tudo o que comprou – e é com esse tudo que a companhia acredita que pode avançar mais, sem necessariamente seguir o líder.

A cervejaria holandesa está longe de ser uma amadora em aquisições. Tem feito isso há décadas. O esquema é um velho conhecido: ela entra num novo país com a marca Heineken, que é a sétima mais vendida no mundo, e monta uma equipe enxuta. Estuda o mercado, identifica um alvo e dá o bote. O resultado costuma levá-la à liderança ou à vice-liderança de mercado. Só que no Brasil a escala é outra. “A união de dois negócios enormes”, diz Debrosse, “é algo que nunca ocorreu na história da Heineken”. Junte aí o fato de essa união se dar no quintal da voraz Ambev e pronto: os desafios também serão outros.

Contornar a apreensão entre os 10 mil funcionários da antiga Brasil Kirin (e até entre os 2 mil da própria Heineken), que especulam sobre a possibilidade de demissões, é uma das dificuldades mais imediatas. Até agora, 18 executivos e 135 funcionários da fábrica da Kirin em Itu (SP) foram dispensados. Até o final do ano será fechada a fábrica da Heineken em Gravataí (RS), resultando na demissão de 145 empregados e 37 terceirizados. E esses foram apenas os primeiros movimentos. De todo modo, as coisas devem ir devagar, conforme a música historicamente tocada pela distinta e centenária senhora holandesa.

EM FAMÍLIA

Freddy Heineken, neto do fundador Gerard e responsável pela globalização da companhia no século 20, gostava de dizer: “Não planejo os próximos cinco anos. Tenho de pensar em gerações”. Amparado por essa crença, o ex-presidente da companhia, Karel Vuursteen, uma vez tascou essa a uns investidores americanos descontentes e sedentos por dividendos: “Eu dirijo uma empresa. Não a bolsa de valores”. Passados mais de 150 anos da fundação, a família permanece como acionista majoritária do negócio, com pouco menos de 25% de participação, e acompanha de perto os movimentos da empresa. Charlene de Carvalho-Heineken, filha de Freddy, passou a representar os interesses da família no conselho de administração da companhia após a morte do pai, em 2002 (leia mais detalhes no quadro da página 38). E apesar de não estarem em funções executivas, a importância dos Heineken no dia a dia da cervejaria é inegável. Em uma entrevista de uma hora e meia, o CEO Debrosse citou a família pelo menos 12 vezes: “a marca Heineken é o nome da companhia e também o de uma família”, “como temos a família como acionistas estamos sempre pensando no longo prazo”, “se é um problema para a marca Heineken, é um problema para a família Heineken”...  

Essa relação ajuda a explicar diversas características da gestão da empresa. Desde a maneira como a Heineken encara o marketing e administra suas marcas até a postura menos agressiva de caminhar, com passos mais lentos do que as concorrentes em determinados momentos, o que por vezes acaba também resultando em rentabilidade inferior. Em 2015, por exemplo, em comparação com seus competidores, a Heineken só liderava em lucratividade na Ásia. “A empresa está nas mãos da família há mais de 150 anos, e provavelmente estará nos próximos 100. Não estamos pensando no trimestre”, afirmou Debrosse, invocando “a família” uma décima-terceira vez. Na prática, isso pode significar aceitar perder participação de mercado no curto prazo para evitar desgastar uma marca. “Nós sempre protegemos a imagem da marca. Sempre. Não vamos atrás de volume a qualquer preço”, continua Debrosse, deixando claro que na cultura da empresa não há espaço para o custe o que custar. “A gente trabalha essa noção de continuidade. Não estamos preocupados apenas em entregar os resultados no ano de 2017. Temos de entregar 2017, mas também estar aqui em 2027, em 2037”, reforça Carla Sauer, vice-presidente de RH da empresa no Brasil.

Outra preocupação constante da Heineken, além do planejamento de longo prazo, é com a qualidade dos produtos e do relacionamento com parceiros. Quanto ao primeiro ponto, tudo gira em torno da chamada levedura A, única e exclusiva da Heineken. É ela que dá o famoso gosto característico da marca. Mas não sob quaisquer condições. Em 1973, a cervejaria percebeu que o sabor mudava quando a fermentação da levedura ocorria a alta pressão dentro de tanques verticais. Era preciso fermentá-la em tanques horizontais, com baixa pressão, deixando a levedura A descansar por três semanas. “Até hoje, a maioria das cervejarias utiliza o modelo vertical, já que a produção sai mais barata”, diz o mestre-cervejeiro global da Heineken Willem van Waesberghe. Menor custo, neste caso, não é a prioridade da cervejaria holandesa. Quanto ao segundo ponto, ainda no campo da pressão, é comum ouvir de ex-funcionários que a empresa pode, sim, diminuir a cobrança se a obsessão pelas metas estiver arranhando um relacionamento com o consumidor, o fornecedor ou o distribuidor. Os holandeses são conhecidos por não brigarem por mercado usando o preço como arma. Para Debrosse, a equação é simples: “Eu acredito que você não constrói marca e participação de mercado com promoções. Se você quiser bater uma meta trimestral, pode ser muito agressivo. Mas, se é verdade que poderá ganhar em volume no curto prazo, também é verdade que vai perder logo depois”.

CORDIALIDADE

Houve momentos no passado em que a Heineken optou por vender menos cerveja em nome da “relação” ou por algum receio de desgaste à marca. “Em geral, a empresa faz ajustes em investimentos e despesas para compensar eventuais gargalos em receita, em vez de buscá-los por meio de pressão total sobre as equipes de vendas”, diz um ex-executivo. “A Heineken é uma empresa em que a educação e a colaboração entre todas as funções é muito valorizada. É uma companhia mais de marcas do que de vendas”, completa Isabel Moisés, ex-vice-presidente de RH da subsidiária brasileira. O velho Freddy também gostava de dizer que vendia cordialidade, não cerveja.

Essa postura se reflete ainda no ambiente interno. A pressão por metas e resultados existe – algo inerente a qualquer empresa de bebidas ou do varejo – mas é descrita como “saudável”. “Meta é sobrevivência”, diz Carla Sauer. “Mas 70% das nossas hoje se referem à empresa como um todo. E 30% dizem respeito ao indivíduo e à área dele.” O crescimento de um funcionário dentro da empresa, porém, depende de outros fatores, além da capacidade de bater metas. Ali se privilegia a contratação de gente bem relacionada e com perfil diplomático. “Atingir os objetivos é condição, mas está longe de ser suficiente. O ‘como’ é o que realmente faz a diferença.”

Nos próximos meses ou anos, Carla e Debrosse terão de se debruçar sobre muitos “comos” em relação à operação brasileira, agora o maior mercado em volume da Heineken no mundo. Seguindo a classificação das próprias empresas do setor, há hoje três principais segmentos no mercado de cerveja no Brasil: o econômico, que engloba as marcas mais baratas; o mainstream, das mais populares, geralmente produzidas com cereais não maltados, como milho; e o premium, com as cervejas “puras”, fabricadas com malte e outros ingredientes “especiais”. O preço da bebida aumenta do econômico para o premium. Ao comprar a Brasil Kirin, que mantinha, no ano passado, pouco mais de 9,8% do mercado brasileiro de cerveja, a Heineken garantiu um portfólio mais completo nessas três categorias. Conseguiu reforçar o segmento premium e artesanal – menina dos olhos do mercado, onde ela já era relevante –, com as marcas Eisenbahn e Baden Baden. No mainstream, responsável por 75% das vendas no país, ganhou a Schin, particularmente forte no Norte e Nordeste, onde a presença da Heineken era tímida. E no econômico chegaram os rótulos No Grau e Glacial.

A verdadeira luta, entretanto, deve ocorrer no segmento premium. É lá que a Heineken posiciona sua marca principal. A garrafinha verde de estrela vermelha se vende (e é vista) como uma cerveja cool, cosmopolita, puro malte, que zela pela qualidade. Com as marcas Heineken e Sol, ela teve pouco mais de 20% de participação nessa faixa no primeiro semestre. Com a aquisição de Eisenbahn e Baden Baden, sobe para 25%. A categoria premium representa cerca de 8% do mercado nacional e foi a única que cresceu nos últimos dois anos, frente a uma queda de 14% em volume produzido de 2014 a 2016. Além da Heineken, Stella Artois e Budweiser, da Ambev, foram as marcas que resistiram bem à recessão brasileira. Tanto que no primeiro semestre os holandeses reportaram queda nas vendas totais no país, mas alta de dois dígitos no segmento premium. “O Brasil segue a tendência global de consumir menos, mas melhor”, define Angélica Salado, analista da Euromonitor. O raciocínio também vale para as artesanais. Se a Heineken passa a ter Eisenbahn e Baden Baden, a Ambev, sempre atenta, tem Wäls e Colorado.

Mas Debrosse sabe bem o que vem pela frente. Em 2015, ao comprar a SAB Miller, a Ambev disparou na posição de maior cervejaria do mundo. Conseguiu em 30 anos o que a globalizada Heineken, orgulhosa de estar em cinco continentes e 192 países, não conseguiu em 150. Hoje, o tubarão branco criado por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Alberto Sicupira tem valor de mercado de € 200 bilhões. A Heineken, de € 50 bilhões. É “só” com isso aí que os holandeses passam a brigar agora que subiram à parte de cima do ranking brasileiro. E se no varejão das cervejas é quase impossível pensar em Schin, Kaiser ou mesmo Amstel roubando muitos consumidores de Brahma, Skol e Antarctica, no segmento premium a briga promete ser mais divertida. De todo modo, com a aquisição da Kirin, o tabuleiro de Debrosse passou a permitir uma possibilidade maior de jogadas. E talvez haja algumas casas de vantagem porque, na retração geral do setor com a crise econômica brasileira, a Ambev andou perdendo peões: 6,6% de queda de vendas em 2016. Procurada, a empresa não quis comentar.

O Brasil é o terceiro maior mercado de cerveja do mundo, atrás da China e dos Estados Unidos, e o único entre os três primeiros com perspectiva de crescimento até 2021, segundo a Euromonitor. A Heineken, no entanto, tinha apenas cinco fábricas e estava presa a uma rede de distribuição terceirizada, fruto de uma parceria entre a Femsa e a Coca-Cola. “Precisávamos de escala e de mais presença no mercado”, disse Debrosse. As coisas mudaram bastante. A Brasil Kirin trouxe, entre seus ativos, 12 fábricas e uma rede logística montada por 180 distribuidores próprios e independentes, em um sistema desenvolvido pela antiga Schincariol que já funciona há décadas. “No fundo, o que Heineken comprou foi a tecnologia industrial que a Schincariol criou”, comentou um ex-funcionário do alto escalão da Brasil Kirin. “A Heineken deve usar os galpões, as fábricas e a distribuição da Kirin para potencializar o crescimento no Brasil das suas marcas”, corrobora Phillip Soares, analista da Ativa Investimentos. Debrosse está animado: “Nós tínhamos uma presença muito tímida no Nordeste. Hoje, com a Brasil Kirin, a exposição é fantástica. E, junto com a marca Schin, podemos colocar a marca Heineken na região”.

MESA DE BAR

Embora a rede de distribuição própria encareça a operação, ela pode fazer a diferença para tornar a Heineken mais eficiente. O casamento de anos com a Coca-Cola já tem data para terminar: 31 de outubro. Daí para a frente, os holandeses usarão a rede de distribuição herdada dos japoneses. A Coca não gostou nada do fim do acordo. Alegou que o contrato tinha prazo até 2022 - e que deveria ter sido informada com antecedência sobre o rompimento. O resultado é uma briga que se arrasta nos tribunais e que, em 2018, será alvo de um processo de arbitragem 

A percepção é que na distribuição do sistema Coca-Cola, as cervejas vendidas pela Heineken tinham menor importância e eram deixadas de lado. Isso faz toda a diferença no ponto de venda, já que é o distribuidor de bebidas que faz parcerias com bares e restaurantes para que eles exponham as propagandas, mesas e cadeiras de determinada marca. O poder de barganha do distribuidor é tão grande que alguns donos de bares, em troca de vantagens comerciais, comprometem-se a não vender, ou pelo menos não expor, produtos das concorrentes. Questão de sobrevivência, já que no setor de bebidas as vendas em bares e restaurantes são maiores do que nos supermercados. Adalberto Viviani, diretor-presidente da consultoria Concept, resume: “O que fideliza o consumidor no mercado de bebidas é a distribuição, é ter o produto gelado no ponto de venda. Quando você não tem a distribuição na sua mão, terceiriza sua vantagem competitiva”.

Nesse quebra-cabeça, o lacônico Debrosse emudece sobre a possível chegada de marcas novas ou a retirada de algumas já existentes. Ele diz apenas que nenhuma delas será desvirtuada ou terá sua receita alterada. A estratégia, segundo observadores, passaria menos pela eliminação de marcas do portfólio e mais por aproveitar regiões do Brasil mal exploradas pelas concorrentes. A grande incógnita, porém, é que destino a Heineken dará às linhas de refrigerante e água que comprou da Brasil Kirin. Há marcas fortes como a Itubaína e outras que vendem muito no Nordeste, como os refrigerantes Schin. Os holandeses estariam dispostos a entrar nesse mercado, que tem sido preterido por um monte dos consumidores famintos por alimentos mais saudáveis? Debrosse é só silêncio.

Mas andar pela contramão não seria de todo novidade. Em 2010, quando desembarcou meio por acaso, depois do pacto com o El Diablo mexicano, a verdade é que a marca Heineken não colou imediatamente por aqui. Com orçamento enxuto, ela precisava convencer os brasileiros a experimentarem uma cerveja mais amarga e de nome esquisito. Distribuidores não queriam incluí-la no portfólio, eventos recusaram seu patrocínio e, após tantos “nãos”, a empresa cogitou até mudar sua fórmula no Brasil. A saída foi ter paciência e criatividade. “Se a gente construísse a marca da mesma forma como o resto do setor, seríamos apenas uma gota no oceano. Então, pensamos: se todo mundo vai para a direita, vamos virar à esquerda”, contou Daniela Cachich, ex-vice-presidente de marketing, em entrevista em maio de 2016 ao podcast do site Brainstorm9. Ir para a esquerda significava desafiar os clichês de propaganda da categoria no país. O surrado esquema praia, samba & bunda. “De repente a Heineken chega conversando com todos os gêneros, associando o consumo de cerveja a entretenimento e se diferencia”, explica Marcelo Pontes, líder acadêmico da área de marketing da ESPM.

Numa das propagandas de maior sucesso, vencedora de um leão de ouro em Cannes, mulheres brasileiras vão à Itália ver a final da Champions League enquanto seus namorados, “espertões”, pensam que as enganaram para ir assistir ao jogo no bar. “Eles encaram a publicidade como parte do negócio, querem dividir estratégias, ouvir nossa opinião. Não veem o marketing como simples ferramenta para os fornecedores”, diz Felipe Giacon, diretor da J. W. Thompson, agência da marca Amstel, uma cerveja mais barata do portfólio Heineken lançada no Brasil em 2015 para combater Brahma e Skol. Suas propagandas não trazem mulheres nuas, e a nacionalidade holandesa também é ressaltada. Foi a primeira marca a patrocinar o carnaval de rua de São Paulo, em 2016. Neste ano, depois de perder a licitação da prefeitura para a Skol, ofereceu bilhetes de metrô gratuitos para os foliões voltarem para casa e, malandramente, distribuiu porta-latas que cobriam a marca Skol com Amstel.

Replicar esse modelo em produtos mais populares, que não têm a tal da “fórmula holandesa”, é o grande busílis. Se as marcas da Kirin ampliam as oportunidades para a Heineken, elas impõem, por outro lado, um grande desafio cultural: agregar a seu portfólio cervejas com histórico de incoerências na comunicação e até de escândalos. A Devassa, por exemplo, teve um comercial de TV estrelado pela celebridade-rica-não-faz-nada Paris Hilton suspenso pelo Conar por ser considerado “sexista”. As econômicas No Grau, Cintra e Glacial lutam centavo a centavo com as concorrentes. Como tratar todas essas diferenças sob o guarda-chuva de um grupo que sempre vendeu sua história, sua tradição e seu lado “empresa de família”? “Cada marca tem sua própria personalidade e percepção de qualidade, além de preços e embalagens que melhor lhe cabe. Não vamos colocar a marca Heineken acima de tudo isso”, diz Bram Westenbrink, vice-presidente de marketing da Heineken Brasil.

A senhora holandesa vestida de verde e vermelho avisa que chegou de vez na festa. Topa até uma contradança. Mas sem perder a distinção, jamais.

 

Mais notícias

As lições de liderança da Islândia, a verdadeira pátria de chuteiras -

Projeto que cria novos cartórios em Goiás recebe emendas e chega na CCJ -

MOVIMENTO BRASIL MAIS MODERNO -

Cadastro positivo sai da pauta da Câmara e pode ser retomado só em julho -

Banco Central decide manter taxa de juros em 6,50% ao ano -

FEBRABAN divulga novos prazos para cadastro de boletos na Plataforma de Cobrança -

PROTESTO EXTRAJUDICIAL EM DESTAQUE: PGFN REGISTRA NOVO RECORDE DE RECUPERAÇÃO NO 1º TRIMESTRE DE 2018. -

Vice-presidente da Anoreg/BR é homenageado em cerimônia de abertura do 78º Encoge -

Mais de 570 mil veículos circulam em cidades do Rio Grande do Sul com IPVA atrasado -

Endividamento e inadimplência das famílias de Vitória crescem em maio -

IEPTB-MT marca presença no Projeto “Cartório Amigo” e disponibiliza totem para consulta de protesto -

Concentração bancária cresceu no Brasil, diz Banco Central -

Senado: Comercialização de dados pessoais de brasileiros será debatida nesta quarta -

Gigantes de tecnologia podem ser concorrentes de sistema financeiro, diz presidente do Itaú -

PALESTRANTE DA 16ª CONVERGÊNCIA, ANGELO VOLPI NETO VAI FALAR SOBRE MÉTODOS EXTRAJUDICIAIS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS. -

Inadimplência representou 38,27% do custo do crédito em 2017, aponta BC -

APROVADA LEI QUE DISCIPLINA USO DOS TERMOS ‘CARTÓRIO’ E ‘CARTÓRIO EXTRAJUDICIAL’. -

Três estados reduzem preço do diesel usado para cobrança do ICMS -

XII Encontro Notarial e Registral do Rio Grande do Sul -

Anoreg/BR anuncia data e local do XX Congresso Brasileiro de Direito Notarial e de Registro -

Swift fecha com Bradesco e atrai primeiro banco brasileiro para pagamentos -

Imposto de Renda 2018: consultas ao 1º lote abrem às 9h; restituições somam R$ 4,7 bi -

Cenário incerto faz crescer aposta na alta da taxa Selic -

STF suspende impressão de voto em urna eletrônica -

Inadimplência do Fies dobra desde 2014, e 41% não pagam as parcelas há mais de três meses -

Empresas de Primavera do Leste podem receber créditos por meio de convênio firmado com o IEPTB-MT -

Apenas 15% de créditos tributários e dívidas que governo tem a receber são recuperáveis -

STJ autoriza recolhimento da carteira de motorista para pressionar réu inadimplente a regularizar débitos -

STJ julga bloqueio de passaporte e CNH para acelerar pagamento de dívidas -

OAB/PB firma convênio com IEPTB para protesto de sentenças. -

Endividamento e inadimplência dos brasileiros melhoram em maio -

Copa do Mundo: Tribunais alteram expediente em dias de jogos do Brasil -

Intenção de consumo das famílias volta a subir em maio -

PIB fraco e greve de caminhoneiros abatem cálculos para economia -

TABELIÃES DE PROTESTO DO PIAUÍ SE REÚNEM NUMA DEMONSTRAÇÃO DE UNIÃO E FORTALECIMENTO DA CLASSE. HOUVE SORTEIO PARA O EVENTO CONVERGÊNCIA 2018. -

A Convergência é uma oportunidade valiosa de se informar sobre os últimos acontecimentos do setor -

Abastecimento de combustíveis melhora mas ainda é ruim em alguns Estados, diz ANP -

NOTA DE FALECIMENTO -

PGM vai usar cartórios de protesto para cobrar dívidas de contribuintes -

O processo de modernização das serventias extrajudiciais -

COM APOIO DO INSTITUTO DE PROTESTO SÃO LUÍS REALIZA 2º SEMINÁRIO NACIONAL DO REGISTRO CIVIL. -

IEPTB-MT comemora provimento da Corregedoria que autoriza protesto de CDA por indicação -

Prefeitura de São Paulo começa a protestar multas de trânsito -

TJ/PB: Aprovados em concurso para cartórios já podem entregar documentos -

BNDES aprova financiamento de R$ 5 bilhões para a segurança pública no Brasil este ano -

Caixa tem lucro de R$ 3,2 bi no 1º tri, alta de 114% em relação a 2017 -

CNC eleva de 5,0% para 5,4% projeção de crescimento do varejo este ano -

Por causa da greve, Correios suspendem postagem de Sedex -

IEPTB-MT convida cartórios do estado para aderirem à nova plataforma do Jornal Eletrônico de Protesto -

Itaú segue bancos e também reduz juro do crédito imobiliário -

TJ/GO: Corregedoria: presença de 99% de cartorários marca encontro em Ceres -

Aplicativo mapeia rodas de samba e ajuda amantes da música -

Caminhoneiros paralisam rodovias pelo País contra aumento nos preços do diesel -

FEBRABAN informa horário de atendimento dos bancos nos jogos do Brasil na Copa -

STJ – Desconsideração da personalidade jurídica não exige prova de inexistência de bens do devedor -

CNJ: Acre e Rondônia passam por inspeção da Corregedoria -

'Não houve e não há sinais de ruptura democrática no Brasil', diz Moro em Nova York -

Campo Grande News – Cartórios evoluem serviços com segurança à população -

Na lista dos 23 convocados para a seleção, Tite aposta na versatilidade -

Concorrente do Nubank, Itaú lança cartão de crédito sem taxa para compras internacionais -

Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018 -

Lucro de bancos supera gasto com calote pela 1ª vez desde a crise -

ExpoGestão 2018 -

Cartórios já podem enviar editais de intimações para Jornal Eletrônico de Protesto em MT -

Vendas para o Dia das Mães deverão registrar a maior alta em 5 anos -

Prazo para o pagamento da guia de abril do eSocial doméstico termina hoje -

'Fechamento de agências será em fases', diz presidente interino -

Como dólar mais caro fez juros na Argentina subirem a 40% -- e qual o risco para o Brasil -

Percentual de famílias endividadas recua em abril -

TJ/GO: Pela primeira vez, todos os cartórios extrajudiciais goianos serão inspecionados juntos -

"Blockchain é a maior invenção da história da computação", diz Don Tapscott -

Cartório de Lucas do Rio Verde divulga forma de protesto a custo zero em bancos -

TJ/CE: Publicada lista de inscrições preliminares deferidas para concurso de cartórios -

WhatsApp e Instagram terão chamadas de vídeo em grupo -

Itaú lucra R$ 6,28 bilhões no 1º trimestre de 2018, alta de 3,8% -

Presidentes da Anoreg-MT e IEPTB-MT participam de reunião com CNJ -

Vendas para o Dia das Mães deverão registrar a maior alta em 5 anos -

Operadoras de cartão não poderão cobrar juro maior no rotativo -

ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE PROTESTO E INTIMAÇÃO -

TJ/SP: Tribunal divulga conteúdo da Prova Escrita e Prática do 11º Concurso para Cartórios -

Bradesco registra lucro de R$ 4,4 bilhões no 1º trimestre, alta de quase 10% -

Mundial de Futebol deverá movimentar R$ 1,5 bilhão no varejo brasileiro -

Anoreg/MT: Cartório Amigo conta com apoio da Corregedoria-Geral de Justiça -

Preços de lanchonete e estacionamento em aeroportos são principais críticas de passageiros -

Nelson Missias é eleito presidente do TJMG -

O IEPTB-MG, em parceria com o INDIC, está abrindo turmas para tabeliães interessados no CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO. -

Lucro global do Santander sobe 10% no 1º trimestre puxado por Brasil -

Expo Gestão 2018 - Cartórios de Protesto / SC - Presente em um dos maiores evento de gestão do Brasil -

INSTITUTO DE PROTESTO - SEÇÃO MA E CREFITO 16 FIRMAM CONVÊNIO. -

Por que ter cuidado redobrado ao declarar os rendimentos recebidos -

Entenda a diferença entre protesto e intimação -

Racha entre bancos trava implementação ampla do blockchain no Brasil -

Banco Central estuda criar sistema de pagamento instantâneo -

Mais de 213 mil cariocas recuperaram o crédito no primeiro trimestre -

2º Encontro de Capacitação dos Colaboradores do Protesto - PR -

Parceria do TJSP e da Procuradoria Geral do Estado é destaque na imprensa -

IEPTB-MT divulga cronograma de serventias onde serão implantados procedimentos sobre a postergação de emolumentos -

Decréscimo da inadimplência em ativos problemáticos ajudou rentabilidade, diz BC -

TJ/PB: Curso Corregedor Permanente e a Fiscalização das Serventias Extrajudicial é adiado -

Deixar de pagar imposto declarado não é crime fiscal, é inadimplência, decide STJ -

STJ: Ministro Humberto Martins é nomeado corregedor nacional de Justiça para o biênio 2018-2020 -

Caixa Econômica Federal lidera ranking de reclamações do BC no 1º trimestre de 2018 -

Cartórios poderão oferecer serviço de mediação e conciliação judicial -

Nova regra do cheque especial pode criar superendividados, dizem analistas -

Inadimplência no comércio do Rio cresceu 0,8% no trimestre, diz levantamento -

TJ/RJ: REPRESENTANTES DOS CARTÓRIOS EXTRAJUDICIAIS SE REÚNEM COM NUPEMEC -

Cheque inferior a R$ 300 passa a ser compensado em 1 dia a partir de segunda -

Bancos aprovam novas regras para cheque especial -

Convênios firmados pelo Instituto de Protesto permitem recuperação de crédito sem burocracia -

TJ/PI: Inscrições abertas para Curso de Gestão Cartorária -

TJ/CE: Judiciário realiza novo sorteio dos cartórios destinados a pessoas com deficiência -

PL Cadastro Positivo vai à votação em meio a críticas dos órgãos de defesa do consumidor -

Inadimplência tem recuo TÍMIDO mas otimista, afirma diretor da ACE -

Empresário, quer cobrar uma dívida? Proteste! -

INSTITUTO DE PROTESTO DO MARANHÃO RESSALVA A IMPORTÂNCIA DA ATUALIZAÇÃO DA CNP. -

Quem é o novo ministro que vai gerir economia por 9 meses após saída de Meirelles -

Receita Federal esclarece questões referentes ao artigo “A falência do processo tributário” -

Editais de intimação poderão ser publicados em jornal eletrônico -

Audiência pública vai discutir aumento do número de cartórios em Goiás -

TJ/DFT: INSCRIÇÃO INDEVIDA EM CADASTRO DE INADIMPLENTES GERA DEVER DE INDENIZAR -

PROTESTOS EM MASSA: 'ME PAGA AÍ'. PREFEITURA DO RIO VAI PROTESTAR 10 MIL DEVEDORES INSCRITOS NA DÍVIDA ATIVA DO MUNICÍPIO. -

Anoreg/BR reformula canal de Ouvidoria para o público dos serviços extrajudiciais -

NORMA DO CNJ AUTORIZA CARTÓRIOS A FAZER MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS. -

Cartórios de Lucas do Rio Verde e Primavera do Leste são pilotos na postergação dos emolumentos para o protesto em MT -

Percentual de famílias inadimplentes aumenta pela primeira vez no ano -

Mantido ato do CNJ que mudou contagem de títulos em concurso para cartórios -

Mantido ato do CNJ que mudou contagem de títulos em concurso para cartórios -

Mantido ato do CNJ que mudou contagem de títulos em concurso para cartórios -

Vamos ‘empoderar’ bancos menores, diz presidente do BC -

Rede bancária alerta: boletos acima de R$ 2 mil precisam estar cadastrados na Plataforma de Cobrança -

Senado discute reforma do Código Comercial -

INAUGURADO TOTEM DE CONSULTA GRATUITA DE PROTESTO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUÍS. -

Presidente do BC diz que serão anunciadas mudanças no cheque especial em abril -

IEPTB-MA FIRMA CONVÊNIO COM CONSELHO REGIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA -

PRESIDENTE DO IEPTB-PE FALA SOBRE SUAS EXPECTATIVAS PARA A CONVERGÊNCIA 2018. -

Prefeitura de Formiga ajuíza ações para cobrar contribuintes em dívida com o município -

"Satélite" é novidade na programação da Convergência PE 2018 -

"MPEs de comércio faturam 19,4% em janeiro e impulsionam pequenos negócios" -

“A atividade dos cadastros de inadimplentes exige uma regulamentação vigorosa” -

Presidente do IEPTB-MT divulga o protesto extrajudicial em Mirassol D’Oeste -

BC deve anunciar mais um corte, e taxa de juros pode atingir nova mínima histórica, preveem economistas -

Transformação Digital nos Cartórios" será tema debatido na Convergência 2018. -

JORNAL DO PROTESTO -

Prefeitura de Cuiabá deixa de arrecadar R$ 800 mi e busca reduzir inadimplência -

Intimação por edital para protesto de títulos muda no DF -

“O protesto de títulos e outros documentos de dívida é um procedimento chancelado com fé pública” – (Jornal do Protesto). -

LANÇAMENTO DE LIVRO SOBRE AS SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS E O DIREITO DE ACESSO À JUSTIÇA. -

Presidente do IEPTB-MT ministrará curso em abril sobre “Usucapião Administrativo” -

Alerta para quem tem dívidas -

Trabalhadores dos Correios encerram greve nesta terça-feira -

Bradesco estuda fechar até 200 agências este ano, diz presidente -

PROJETOS DA DESBUROCRATIZAÇÃO RECEBEM EMENDAS EM PLENÁRIO E SEGUEM PARA A CCJ -

INSTITUTO DE PROTESTO DO MARANHÃO INSTALA TOTENS DE CONSULTA DE PROTESTO NO FÓRUM DESEMBARGADOR SARNEY COSTA Anterior -

TJ/PI marca novo julgamento sobre suspensão de concurso -

INSTITUTO DE PROTESTO DO MARANHÃO INSTALA TOTEM DE CONSULTA DE PROTESTOS NO VIVA KIDS DO GOLDEN SHOPPING -

Justiça confisca carteira de motorista e passaporte para forçar inadimplente a pagar dívida -

Funcionários dos Correios podem entrar em greve a partir desta segunda -

Fatia de famílias endividadas cai para 61,2% em fevereiro -

Cheque especial terá nova fórmula que deve ser anunciada em março -

Comunicado sobre as inscrições na I Conferência das Entidades Representativas dos Notários e Registradores de Minas Gerais -

Um terço das empresas brasileiras tem mulheres como sócias majoritárias -

Quase 8 em cada 10 brasileiros devem no cartão de crédito, diz pesquisa -

ARTIGO - "CARTÓRIOS EXTRAJUDICIAIS: O QUE VOCÊ PRECISA SABER " - POR PATRICIA ANDRÉ DE CAMARGO FERRAZ -

IEPTB-MG realiza ação “Corrente do Bem” em 2018 -

Liminar suspende reajuste de Sedex e PAC; decisão vale apenas para encomendas do Mercado Livre, dizem Correios -

Energisa investe no combate à inadimplência -

Anoreg-MT promoverá a ação “Cartório amigo – ações para um futuro melhor” -

'Deixava de comer para pagar dívidas': o vício em comprar, que atinge ricos e pobres -

INSTITUTO DE PROTESTO DO MARANHÃO PARTICIPA DE REUNIÃO PARA INSTALAÇÃO DE TOTENS NO FÓRUM DESEMBARGADOR SARNEY COSTA -

Como fazer conciliação bancária passo a passo -

TJ/MT: Serventias extrajudiciais são correicionadas em MT -

Bancos sobem taxas em janeiro mesmo com queda de juros básicos -

Imposto de Renda 2018: prazo para entrega da declaração começa nesta quinta -

Cartório de Canarana promove ciclo de estudos visando qualidade na prestação dos serviços -

Setor de serviços vai ficar fora da mudança do PIS/Cofins -

Recuperação se espalha e chega a mais de 60% dos setores da indústria -

Bancos assinam acordo com a PF para combater fraude bancária -

Confiança do comércio atinge maior nível desde abril de 2014 -

Tribunal de Justiça do Piauí pauta julgamento de concurso de cartório -

Devedores do Refis voltam a dar calote -

Receita libera nesta segunda programa do Imposto de Renda 2018 -

INSTITUTO DE PROTESTO DO MARANHÃO INSTALA TOTEM DE CONSULTA DE PROTESTOS NO VIVA/PROCON EM COLINAS-MA. -

Cerca de 20 mil devedores terão nomes enviados a cartório em Nova Andradina -

Aprovada abertura de concurso para serviços Notariais e de Registros -

CNJ: Cármen Lúcia: “CNJ não declara inconstitucionalidade de norma nenhuma” -

MPE's têm faturamento positivo após 3 anos -

Bancos voltam a dar crédito a pequenas e médias empresas, mesmo com risco de inadimplência alta -

Ações condominiais registram queda de 41% em janeiro -

Santander quer liderar mercado de gestão de -

Autora que mentiu sobre cobrança indevida é condenada por má-fé -

CNJ: Corregedoria inspeciona tribunal e cartórios em Roraima -

Bradesco lança conta corrente gratuita para divulgar seu banco digital -

Índice do Banco Central indica economia mais robusta em 2018 -

“Conhecimento sobre blockchain abre oportunidades” -

Senado: Projeto proíbe ‘negativar’ consumidor sem avisar com antecedência -

Como quitar débitos com empresas públicas, após o protesto extrajudicial -

Projeto exige assinatura digital para documentos eletrônicos serem considerados autênticos -

Participantes da Décima Sexta Convergência têm descontos em passagem aérea -

Receita libera hoje 102 mil contribuintes presos na malha fina -

Horário de verão termina neste domingo; moradores de 10 estados e DF devem atrasar o relógio em 1 hora -

Bancos reabrem ao meio-dia; contas que venceram no carnaval podem ser pagas hoje -

O que fazer agora que a caderneta vai render 0,39% ao mês. -

GOVERNO FEDERAL LANÇA OFICIALMENTE O DOCUMENTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO (DNI) -

Bancos vão fechar no carnaval 2018? Como fazer para pagar as contas? Tire suas dúvidas -

Bancos voltam a anunciar redução de juros minutos após queda da Selic -

‘Presidir o Bradesco não é um objetivo, mas uma missão’ -

Lucro do Itaú cresce 10% em 2017 e atinge R$ 24 bilhões -

IEPTB-MA E VIVA CIDADÃO REALIZAM REUNIÃO PARA DISCUTIR INSTALAÇÕES DE TOTENS DE CONSULTA DE PROTESTO NOS VIVAS. -

PMU terá convênio com cartórios para protestar devedores -

Governo de Sergipe tentará recuperar R$ 900 milhões sonegados -

CGJ-MG publica as novas vacâncias dos serviços notariais e de registro -

Concurso dos cartórios de Alagoas tem inscrições abertas -

Analistas projetam crescimento de PIB de até 3,5% em 2018 -

TJRS: Tribunal de Justiça recepciona novos titulares de cartórios extrajudiciais -

Cidadão poderá obter identidade e passaporte em cartórios -

Lucro do Bradesco cai para R$ 14,65 bilhões em 2017 -

Proposta permite emissão de fatura e duplicada para locação de bens móveis -

Cai o número de famílias endividadas na virada do ano, aponta CNC -

Lucro do Santander cresce 44,5% em 2017 e alcança R$ 8 bilhões -

Cartórios paulistas já podem participar do projeto “Adoção Afetiva” -

TJ-RN divulga cronograma para abertura de novo concurso para notários e registradores -

Nova lei facilita correção de nome em cartório -

Aplicativo 'espião' de motoristas poderá dar desconto no seguro -

FALANDO DE PROTESTO: TABELIÃ SUBSTITUTA DO 1º OFÍCIO DE TUNTUM-MA TEM ARTIGOS APROVADOS NO CONPEDI/MA -

Concorrência entre bancos pode baixar o custo do crédito -

Cobrar dívidas de forma abusiva é ilegal e pode até dar cadeia -

Prefeitura de Balneário Camboriú está enviando títulos para protesto -

Snapchat permitirá que usuário compartilhe histórias com pessoas que não usam o app -

TJAL – Concurso dos cartórios de Alagoas será reaberto em 25 de janeiro -

Espírito Santo, Bahia, Pernambuco e Minas puxam alta da produção da indústria -

Facebook anuncia que vai mostrar mais posts de amigos e familiares, e menos de marcas e empresas -

1º Encontro de Capacitação dos Colaboradores do Protesto-PR -

Metade de quem adere ao Refis fica inadimplente -

Em 10 anos, País perdoa R$ 176 bi em juros e multa de dívidas tributárias -

Entra em vigor lei que exige manutenção de sistemas de ar condicionado -

MEIs inadimplentes podem regularizar seus CNPJs até 23 de janeiro -

Percentual de famílias endividadas sobe de 59% para 62,2%. -

China inicia testes da primeira rodovia no mundo que capta energia solar -

Receita abre consulta a lotes residuais do Imposto de Renda -

Conjur (SP) – Devedor pode oferecer imóvel como caução para obter certidão negativa -

Burger King se torna isca para golpe no WhatsApp -

Procon-SP notifica Apple por causar lentidão em iPhones antigos -

Processo digital no TJSP é tema de palestra em conferência da ONU -

PR: Credores não precisam mais pagar antecipadamente as custas do protesto de títulos -

1º Encontro de Capacitação dos Colaboradores do Protesto - PR -

Receita terá de ser informada de transações em espécie acima de R$ 30 mil -

Loapi, o vírus de celular que pode arruinar seu aparelho -

Bancos adotam novas regras para saques acima de R$ 50 mil -

TJ/RO confirma homologação de títulos de concurso para cartórios extrajudicial -

IPVA 2018: guia por estado e no DF -

Vendas de última hora animam comércio -

CNJ Serviço: Conheça os tipos de cartórios existentes no Brasil -

Comissão Especial da Câmara rejeita Projeto de Lei de Teto Remuneratório para cartórios -

Bradesco bate recorde de transações pelo celular -

Bancos brasileiros usarão dados reais em testes de blockchain em 2018 -

Quem tem o carro roubado pode pedir devolução do IPVA -

Anoreg/MA e IEPTB/MA promovem Natal Solidário no bairro Desterro em São Luís (MA) quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 18:33 -

Brasileiros terão ceia de Natal mais barata este ano, indica pesquisa da FGV -

Jornal Diário da Região – Cartório de Notas São José do Rio Preto (SP) aceita pagamentos em Bitcoins -

Alagoas terá primeiro concurso para vagas em cartórios -

Plataforma de renegociação de dívida amplia parceria com Itaú -

POSSE: NOVOS DIRIGENTES DO JUDICIÁRIO DO MARANHÃO ASSUMEM O CARGO NESTA SEXTA-FEIRA -

Corregedoria Nacional divulga resultado das correições nos cartórios -

O Instituto de Protesto de Rondônia disponibiliza aos cartórios de protesto terminais de pesquisa de CNPJ e CPF -

Nome negativado indevidamente por empresa de telefonia móvel acarreta indenização de R$ 10 mil por danos morais; decisão cabe recurso. -

Clipping – Tribuna do Norte (RN) – PGE terá 2,5% sobre taxas cartoriais no Rio Grande do Norte -

A curiosa história por trás do logo mais famoso do mundo -

Primeira Confranore reúne dezenas de tabeliães, notários, registradores e colaboradores em Cuiabá -

Vale o escrito -

FACILIDADE - CGJ AUTORIZA CARTÓRIOS A RECEBER TÍTULOS DE PROTESTO POR PARTICULARES SEM DEPÓSITO PRÉVIO -

IEPTB-MT e Anoreg-MT participam de abertura de mutirão fiscal -

QUASE 60 MILHÕES DE BRASILEIROS ESTÃO COM NOME SUJO -

Microsoft e Banco Votorantim investem R$ 1 mi em fintech de negociação de dívidas -

Instituto de Protesto de RO e ARRCT-RO lançam cartilha informativa sobre Renais Crônicos -

8 de dezembro: Dia da Justiça -

Receita libera consulta ao 7º e último lote de restituição do Imposto de Renda 2017 -

PRF lança sistema de alerta instantâneo para recuperação de carros roubados Agência Brasil -

IEPTB-MT e Anoreg-MT são parceiros em nova edição de mutirão fiscal. -

O papel do protesto extrajudicial na retomada econômica -

OAB/RO: advogados podem protestar contrato de honorários advocatícios em Rondônia -

STJ - O cassino pode cobrar no Brasil por dívidas de jogo contraídas no exterior? -

Poder Judiciário do Ceará altera a forma de lançamento dos atos do serviço extrajudicial -

Juro básico deve cair ao menor nível em 30 anos, apostam economistas, mas taxas bancárias seguem elevadas -

CONVÊNIO POSSIBILITARÁ A COBRANÇA DE DÍVIDAS COM O TCM-GO ATRAVÉS DO PROTESTO -

ADI questiona recolhimento de contribuição patronal de cartorários extrajudiciais catarinenses -

Pagando a conta no grito -

1º Encontro de capacitação dos colaboradores do protesto - PR -

CARTÓRIOS DE PROTESTO ESTARÁ PRESENTE NO I ENCONTRO DE CORREGEDORES DO SERVIÇO EXTRAJUDICIAL -

Fique Legal: Cidadão terá benefícios na quitação de dívidas com o município -

Saiba se você tem direito e como restituir dinheiro perdido com planos econômicos -

CARTÓRIOS JÁ DRIBLAM A BUROCRACIA -

Bancos e poupadores chegam a acordo sobre perdas de planos econômicos das décadas de 80 e 90 -

A importância da identidade visual para seu Negócio ou Escritório (Branding para negócios) -

Artigo: O Protesto como instrumento de redução de ações judiciais e meio célere de solução de conflitos, por Cristina Oliveira -

Corte goiana aprova reestruturação dos serviços extrajudiciais -

40% dos consumidores usaram FGTS para pagar dívidas! -

WhatsApp anuncia app para empresa falar com cliente; Itaú faz testes no Brasil -

Reunião Geral -

Registro de pets em cartório começa a se popularizar em Maceió -

DÉCIMA PRIMEIRA AULA DA SÉRIE "DESPERTAR DA CIDADANIA" SERÁ TRANSIMITIDA NESTA TERÇA-FEIRA (05.09) ÀS 14H -

Dívida ativa: valor para inscrição vai subir para R$ 5 mil. -

Anoreg-MT, IEPTB-MT e EMNOR ministrarão curso sobre “padronização do procedimento de protesto de sentença e decisões judiciais” -

Mercado prevê menos inflação e mais crescimento econômico para 2017. -

Vendas de supermercados têm queda real de 0,5% em julho, aponta Abras -

LIVRO O DIREITO NOTARIAL E REGISTRAL EM ARTIGOS SERÁ LANÇADO NESSA QUINTA-FEIRA EM SÃO PAULO -

Comércio perdeu mais de 40 mil empresas e 412 mil empregos em 2015. -

A chegada da cebola que não faz chorar -

Confiança da Indústria avança 1,4 ponto em agosto, diz FGV -

Brasileiros gastaram dinheiro de contas inativas do FGTS com pagamento de dívidas e compras no varejo -

Brasil tem mais de 207 milhões de habitantes, segundo IBGE -

CNJ JULGARÁ CASO SOBRE POSSÍVEIS TÍTULOS FALSOS APRESENTADOS EM CONCURSO DE CARTÓRIO DE PE -

Paranaenses podem verificar se estão inadimplentes em totens de pesquisa gratuita -

MPT da Bahia avalia possível parceria com os Cartórios de Protesto -

Precisamos falar sobre sonegação -

A Bahia faz chocolate. -

IEPTB RJ FARÁ PALESTRA SOBRE PROTESTO DE SENTENÇA NA OAB DE NILÓPOLIS -

Quais os documentos necessários para comprar e vender um imóvel? -

Bradesco prevê captura de R$ 3,5 bi em sinergias com HSBC Brasil até fim de 2018. -

Cartórios de protesto são opção segura para cobrança de dívidas do poder público -

Primeiro cartório a utilizar a internet na América Latina é destaque na Folha de S. Paulo, em 1996. -

Itaú expande sua incubadora de startups para receber 210 empresas. -

Recuperação de crédito atrai investidores. -

Anoreg-BR realiza primeira reunião mensal com a nova diretoria. -

Tudo o que você precisa saber sobre Infrações leves. -

Pai cria aplicativo que domina o celular do filho até que ele responda. -

Ambev vai responder perguntas sobre cerveja Brahma nas redes sociais -

Cartões de lojas em alta, com crédito bancário em baixa. -

Reunião Geral. -

Treinamento em Excelência no Atendimento ao Cliente. -

IEPTB-MT e Anoreg-MT ressaltam aproximação entre tabeliães e advogados na XX Conferência da Advocacia -

CADE aprova compra de parte do Citibank para o Itaú Unibanco. -

Evento organizado pela ANOREG/RO e Instituto de Protesto/RO. -

Cartórios de Protesto em destaque. -

Instituto de Protesto inaugura nova sede administrativa. -

Inteligência artificial ajuda a criar campanhas promocionais mais assertivas. -

Empossada nova diretoria da ANOREG/BR. -

Corregedoria vistoria cartórios em GO. -

MATO GROSSO PROTESTA 37 MIL DEVEDORES -

Desembargadores do TJSP participam do 75º Encoge -

APP de celular detalha produção dos ministros do STF -

Claudio Marçal Freire é eleito novo presidente da Anoreg/BR. -

Visita do Desembargador ao IEPTB Nacional. -

IEPTB/AM - Conquista mais uma parceria. -

IEPTB/RR celebra convênio com a PGE. -

Reunião entre IEPTB/MT, ANOREG/MT e Corregedoria. -

IEPTB-SC e TRT-SC a mais nova parceria de sucesso. -

Governo corre para recuperar dívidas de até R$30 bi... -

NOVA PARCERIA IEPTB/PA E SEFIN. -

MAIS UMA PARCERIA - IEPTB/MS e TRT 24º Região. -

TJAM recebe R$1 milhão em créditos recuperados. -