{{ login_title }}
Cartórios de Protesto - BR

STJ - O cassino pode cobrar no Brasil por dívidas de jogo contraídas no exterior?

STJ - O cassino pode cobrar no Brasil por dívidas de jogo contraídas no exterior?

João gosta muito de cassinos a fim de participar de torneios de poker e foi passar o fim de semana em Las Vegas (EUA), como faz frequentemente.

Por ser cliente assíduo do hotel, João possui um privilégio por meio do qual adquire as fichas para o cassino com a obrigação de pagar depois. Isso é chamado de “marker”, créditos concedidos ao jogador, que recebe a antecipação dos valores em forma de fichas e assina uma espécie de promissória.

João pegou o equivalente a 500 mil dólares em fichas, assinando as respectivas promissórias.

Depois de dois dias jogando, o brasileiro perdeu tudo.

Ele voltou para o Brasil sem pagar pelas fichas que adquiriu.

O cassino ingressou, então, com ação de cobrança na vara cível de São Paulo, local onde mora o réu, pedindo o pagamento de quase R$ 2 milhões, valor atualizado do débito.

João contestou a ação alegando que o pedido é juridicamente impossível considerando que o ordenamento brasileiro proíbe a cobrança de dívidas de jogo.

O argumento do réu foi acolhido pelo STJ? A ação deve ser julgada extinta sem resolução do mérito pela impossibilidade jurídica do pedido?

NÃO. A cobrança de dívida de jogo contraída por brasileiro em cassino que funciona legalmente no exterior é juridicamente possível e não ofende a ordem pública, os bons costumes e a soberania nacional.

STJ. 3ª Turma. REsp 1.628.974-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em 13/6/2017 (Info 610).

 

O jogo explorado por cassinos é proibido pela legislação brasileira, sendo, no entanto, lícito em diversos estados americanos, como é o caso de Nevada, onde se situa Las Vegas.

A questão a ser debatida, então, diz respeito à possibilidade de cobrança judicial de dívida de jogo contraída por um brasileiro em um cassino que funciona legalmente no exterior. O STJ entendeu que é possível. Vamos entender com calma.

 

Dívidas de jogo contraídas no Brasil são inexigíveis

O art. 814 do Código Civil preconiza:

Art. 814. As dívidas de jogo ou de aposta não obrigam a pagamento; mas não se pode recobrar a quantia, que voluntariamente se pagou, salvo se foi ganha por dolo, ou se o perdente é menor ou interdito.

 

Em caso de obrigação constituída no exterior aplica-se o art. 9º da LINDB

Ocorre que a obrigação foi constituída nos EUA. Dessa forma, deve-se aplicar a legislação estadunidense, conforme prevê o art. 9º, caput, da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (LINDB):

Art. 9º Para qualificar e reger as obrigações, aplicar-se-á a lei do país em que se constituírem.

 

Assim, a lei material aplicável ao caso é a norte-americana, mais especificamente a do Estado de Nevada.

Para obrigação constituída no exterior poder ser exigida em nosso país, deve-se respeitar a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes

Vale ressaltar que a lei estrangeira somente pode produzir eficácia jurídica no Brasil se não ofenderem a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes. Em outras palavras, mesmo tendo a obrigação se constituído no exterior, esta obrigação somente será exigível em nosso país se não violar estes valores. Isso é o que estabelece o art. 17 da LINDB:

Art. 17. As leis, atos e sentenças de outro país, bem como quaisquer declarações de vontade, não terão eficácia no Brasil, quando ofenderem a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes.

 

Dessa feita, a possibilidade (ou não) de cobrança de dívida de jogo contraída no exterior está diretamente relacionada com os valores mencionados no referido art. 17.

 

 

A pergunta que surge, então, é a seguinte: cobrar dívida de jogo contraída no exterior viola a soberania nacional, ordem pública e bons costumes?

NÃO. Vejamos.

 

Soberania nacional

A cobrança de dívida de jogo ocorrida no exterior não ofende a soberania nacional. Ora, a concessão de validade a negócio jurídico realizado no estrangeiro não retira o poder do Brasil em relação ao seu território nem cria nenhuma forma de dependência ou subordinação a outros Estados soberanos.

 

Ordem pública

A ordem pública é conceito mutável, relacionado com a moral e com a ordem jurídica vigente em dado momento histórico. Não se trata de uma noção rígida, mas de um critério que deve ser revisto conforme a evolução da sociedade.

Existem atualmente no Brasil diversos jogos de azar legalizados, os quais em nada se diferenciam dos jogos estimulados nos cassinos.

Não há, portanto, uma absoluta incompatibilidade entre a lei do Estado de Nevada, que autoriza os cassinos supervisionados pelo Estado, com a ordem jurídica vigente no Brasil.

Vale ressaltar que o Brasil pune como contravenção penal a exploração de jogos não legalizados (art. 50). Ocorre que os cassinos no Estado de Nevada são jogos legalizados, de forma que não se enquadram na Lei de Contravencoes Penais.

 

Bons costumes

O meio social e o ordenamento jurídico brasileiros não consideram atentatórios aos bons costumes os jogos de azar. Isso se mostra pelo fato de que diversos deles são autorizados no Brasil, como loterias, raspadinhas, sorteios e corridas de cavalo.

Além disso, o próprio art. 814 do CC, em sua parte final, afirma que não se pode recobrar a quantia que voluntariamente se pagou a título de dívida de jogo ou aposta. Ora, se fosse contrário aos bons costumes, não haveria essa regra de irrepetibilidade.

 

Dessa forma, cobrar dívida de jogo contraída no exterior não viola a soberania nacional, ordem pública e bons costumes.

 

Enriquecimento sem causa

Além disso, permitir a cobrança, no Brasil, de dívida de jogo contraída no exterior é uma medida que está de acordo com o art. 884 do Código Civil, que proíbe expressamente o enriquecimento sem causa.

Aquele que visita país estrangeiro, usufrui de sua hospitalidade e contrai livremente obrigações lícitas não pode retornar a seu país de origem buscando a impunidade civil.

Se não fosse permitido que o cassino cobrasse a dívida aqui no Brasil, haveria lesão à boa-fé de terceiro, bem como o enriquecimento sem causa do devedor.

Conclui-se, portanto, que o pedido é juridicamente possível e não ofende a ordem pública, os bons costumes e a soberania brasileira. Ademais, deve ser aplicada, no que respeita ao direito material, a lei americana.

Fonte: dizer o direito.

Mais notícias

Instituto de Protesto de RO e ARRCT-RO lançam cartilha informativa sobre Renais Crônicos -

8 de dezembro: Dia da Justiça -

Receita libera consulta ao 7º e último lote de restituição do Imposto de Renda 2017 -

PRF lança sistema de alerta instantâneo para recuperação de carros roubados Agência Brasil -

IEPTB-MT e Anoreg-MT são parceiros em nova edição de mutirão fiscal. -

O papel do protesto extrajudicial na retomada econômica -

OAB/RO: advogados podem protestar contrato de honorários advocatícios em Rondônia -

Poder Judiciário do Ceará altera a forma de lançamento dos atos do serviço extrajudicial -

Juro básico deve cair ao menor nível em 30 anos, apostam economistas, mas taxas bancárias seguem elevadas -

CONVÊNIO POSSIBILITARÁ A COBRANÇA DE DÍVIDAS COM O TCM-GO ATRAVÉS DO PROTESTO -

ADI questiona recolhimento de contribuição patronal de cartorários extrajudiciais catarinenses -

Pagando a conta no grito -

Heineken chega para valer no Brasil e a briga promete esquentar -

1º Encontro de capacitação dos colaboradores do protesto - PR -

CARTÓRIOS DE PROTESTO ESTARÁ PRESENTE NO I ENCONTRO DE CORREGEDORES DO SERVIÇO EXTRAJUDICIAL -

Fique Legal: Cidadão terá benefícios na quitação de dívidas com o município -

Saiba se você tem direito e como restituir dinheiro perdido com planos econômicos -

CARTÓRIOS JÁ DRIBLAM A BUROCRACIA -

Bancos e poupadores chegam a acordo sobre perdas de planos econômicos das décadas de 80 e 90 -

A importância da identidade visual para seu Negócio ou Escritório (Branding para negócios) -

Artigo: O Protesto como instrumento de redução de ações judiciais e meio célere de solução de conflitos, por Cristina Oliveira -

Corte goiana aprova reestruturação dos serviços extrajudiciais -

40% dos consumidores usaram FGTS para pagar dívidas! -

WhatsApp anuncia app para empresa falar com cliente; Itaú faz testes no Brasil -

Reunião Geral -

Registro de pets em cartório começa a se popularizar em Maceió -

DÉCIMA PRIMEIRA AULA DA SÉRIE "DESPERTAR DA CIDADANIA" SERÁ TRANSIMITIDA NESTA TERÇA-FEIRA (05.09) ÀS 14H -

Dívida ativa: valor para inscrição vai subir para R$ 5 mil. -

Anoreg-MT, IEPTB-MT e EMNOR ministrarão curso sobre “padronização do procedimento de protesto de sentença e decisões judiciais” -

Mercado prevê menos inflação e mais crescimento econômico para 2017. -

Vendas de supermercados têm queda real de 0,5% em julho, aponta Abras -

LIVRO O DIREITO NOTARIAL E REGISTRAL EM ARTIGOS SERÁ LANÇADO NESSA QUINTA-FEIRA EM SÃO PAULO -

Comércio perdeu mais de 40 mil empresas e 412 mil empregos em 2015. -

A chegada da cebola que não faz chorar -

Confiança da Indústria avança 1,4 ponto em agosto, diz FGV -

Brasileiros gastaram dinheiro de contas inativas do FGTS com pagamento de dívidas e compras no varejo -

Brasil tem mais de 207 milhões de habitantes, segundo IBGE -

CNJ JULGARÁ CASO SOBRE POSSÍVEIS TÍTULOS FALSOS APRESENTADOS EM CONCURSO DE CARTÓRIO DE PE -

Paranaenses podem verificar se estão inadimplentes em totens de pesquisa gratuita -

MPT da Bahia avalia possível parceria com os Cartórios de Protesto -

Precisamos falar sobre sonegação -

A Bahia faz chocolate. -

IEPTB RJ FARÁ PALESTRA SOBRE PROTESTO DE SENTENÇA NA OAB DE NILÓPOLIS -

Quais os documentos necessários para comprar e vender um imóvel? -

Bradesco prevê captura de R$ 3,5 bi em sinergias com HSBC Brasil até fim de 2018. -

Cartórios de protesto são opção segura para cobrança de dívidas do poder público -

Primeiro cartório a utilizar a internet na América Latina é destaque na Folha de S. Paulo, em 1996. -

Itaú expande sua incubadora de startups para receber 210 empresas. -

Recuperação de crédito atrai investidores. -

Anoreg-BR realiza primeira reunião mensal com a nova diretoria. -

Tudo o que você precisa saber sobre Infrações leves. -

Pai cria aplicativo que domina o celular do filho até que ele responda. -

Ambev vai responder perguntas sobre cerveja Brahma nas redes sociais -

Cartões de lojas em alta, com crédito bancário em baixa. -

Reunião Geral. -

Treinamento em Excelência no Atendimento ao Cliente. -

IEPTB-MT e Anoreg-MT ressaltam aproximação entre tabeliães e advogados na XX Conferência da Advocacia -

CADE aprova compra de parte do Citibank para o Itaú Unibanco. -

Evento organizado pela ANOREG/RO e Instituto de Protesto/RO. -

Cartórios de Protesto em destaque. -

Instituto de Protesto inaugura nova sede administrativa. -

Inteligência artificial ajuda a criar campanhas promocionais mais assertivas. -

Empossada nova diretoria da ANOREG/BR. -

Corregedoria vistoria cartórios em GO. -

MATO GROSSO PROTESTA 37 MIL DEVEDORES -

Desembargadores do TJSP participam do 75º Encoge -

APP de celular detalha produção dos ministros do STF -

Claudio Marçal Freire é eleito novo presidente da Anoreg/BR. -

Visita do Desembargador ao IEPTB Nacional. -

IEPTB/AM - Conquista mais uma parceria. -

IEPTB/RR celebra convênio com a PGE. -

Reunião entre IEPTB/MT, ANOREG/MT e Corregedoria. -

IEPTB-SC e TRT-SC a mais nova parceria de sucesso. -

Governo corre para recuperar dívidas de até R$30 bi... -

NOVA PARCERIA IEPTB/PA E SEFIN. -

MAIS UMA PARCERIA - IEPTB/MS e TRT 24º Região. -

TJAM recebe R$1 milhão em créditos recuperados. -